sexta-feira, 21 de julho de 2017

Sensor de descarga elétrica - Fazenda Cachoeira - Arceburgo/MG.

Pedro Leite da Silva Dias.
Maria Assunção Faus da Silva Dias.

Este instrumento faz parte de uma rede internacional que consta de centenas de equipamentos semelhantes em todos os continentes.


Equipamento que tem a precisão de detectar a cada minuto, numa distancia de 300 quilômetros, onde ocorrem estes fenômenos.
Faz parte de estudos de monitoramento da USP, unidade de São Paulo/SP, do Instituto de  Astronomia Geofísica e Ciências atmosféricas.






quarta-feira, 19 de julho de 2017

Beija-flor-de-papo-branco

Leucochloris albicollis Vieillot, 1818.

Gênero LEUCOCHLORIS Reichenbach

MACHO - BRIGANDO

Foto gentilmente cedida para esta postagem por Marco Guedes, feita na Reserva Guainumbi, São Luiz do Paraitinga-SP, feita em 04.09.2009.
Observação do autor: Esta briga, infelizmente, foi letal para o perdedor.

Distribuição geográfica: Argentina, Paraguai, Uruguai e Brasil, do Rio Grande do Sul ao Espirito Santo, inclusive o Sul de Minas Gerais.

Características: Medidas: comprimento 103 mm. Asa 61. Cauda 35. Bico 24. Peso 5,0g Vibração de asa 31 p.s Peso e medida dos ovos: 0,60g. 16 x 8,8mm. Temperatura 42° C.
Dimorfismo sexual pouco diferenciado.

Habitat: Vive nas florestas e scrub. Frequenta os jardins e pomares de altitude superiores a 600m.



Foto gentilmente cedida para esta postagem por Demis Bucci, feita na Reserva Guainumbi, São Luiz do Paraitinga-SP, em 20.08.2011.
Observação do autor: Foto feita com dois flashes, agradeço ao Luiz Rondini por emprestar o 2º flash e ao Luciano Monferrari por ficar na chuva segurando ele rs... 

Em um super encontro comemorando meu aniversário: Luiz Rondini, Tomaz Mello, Eduardo Veríssimo, Monferrari e esposa, Humberto Marques e família, JM e Adri, Rafa e Elis, Josiel e é claro minha esposa querida :

Migração: Pequena migratória.

Descrição: Lado dorsal verde-bronzeado brilhante; retrizes laterais enegrecidas, com pouco esverdeado e a extremidade com acentuada faixa branca. Lado ventral com mento verde, tendo essas penas bordos brancos; garganta com grande macula oval branca; infracaudais brancas, com um disco negro ao centro. Bico com maxila negra e mandibula vermelha com ponta enegrecida. Fêmea semelhante, com coloração mais enegrecida. 
Comportamento e biótopos para nidificação, banho e canto, descanso, parada nupcial e dormir.
É solitária, sendo frequente encontrar-se na flores da lobeliácea, Lobelia urocroma, nos lugares úmidos das pedreiras e alagadiços. Nos jardins e pomares visita flores de citrus, Malvaviscus, Abutilon, Salvia et. Nidificação, postura, incubação e cuidados com a prole a cargo da femea. A parada nupcial é rica de movimentos em voo, com o abrir da cauda em leque e revolteios ao redor da fêmea , que na fase de exibição de plumagem acompanha os movimentos com canto surdo e raros assovios. Nos paroxismo, o macho se acerca da fêmea e faz movimentos com a cabeça e bico, abrindo as asas, ameaçando agressão  e movimentando as penas do mento e garganta, ao mesmo tempo em que produz um chilreado pouco sonoro e baixo. Em seguida é aceito pela fêmea. O ninho é do terceiro tipo de classificação de A.Ruschi, sendo ornamentado externamente com líquenes, fixado por teia de aracnidios. A incubação dura 14 dias e os jovens deixam o ninho em 20-22 dias. O banho é tomado nas folhas ou flores  umedecidas pelo orvalho ou chuva e também nas poças de água límpida dos córregos e de respingos de cascatinhas ou corredeiras, após o que vão pousar num ramo para higiene da plumagem. Também o banho de sol é realizado em pouso ao aberto e a posição da cauda aberta, com a cabeça virada para o alto expondo o mento e garganta, cerrando os olhos e mantendo as penas eriçadas da parte dorsal, a fim de os raios solares penetrarem. Assim permanece por dez minutos ou mais, repetindo várias vezes ao dia. Também nesse pouso ou em outro local entremeado de sombra costuma emitir seu canto. Este é um chilreado que dura de 4 a 7 segundos, seguidos de alguns agudos com certa melodia, para novamente voltar ao chilreado. esse canto se prolonga por até 30 minutos. O dormir é idêntico ao de outras espécies, em lugar protegido do scrub, mantendo a posição normal de pouso, com plumagem dorsal eriçada.

NINHO - CHOCANDO
Foto gentilmente cedida para esta postagem por Vitor Herdy, feita em PARNA Caparaó, Alto Caparaó-MG, em 07.12.2012.

Reconhecimento em seu habitat: Essa especie é reconhecida facilmente porque tem o peito com a mácula oval branca, circundada de verde.
Citação: Aves do Brasil - Augusto Ruschi - Beija-flores - Volume V.


MACHO - ADULTO
Foto gentilmente cedida para esta postagem por Constantino Melo, feita em são Luiz do Paraitinga-SP, em 21.10.2010. 



FAMÍLIA TROCHILIDAE
SUBFAMÍLIA TROCHILINAE
Ordem Trochiliformes

Etimologia: 
Leucochloris - do grego leukos = branco + khloros = verde,
albicollis = do latim albus = branco + collis = pescoço, garganta (collus ou collum, colli = o pescoço).
Citação: Aves Brasileiras - Johan, Christian Dalgas Frisch

JOVEM
Foto gentilmente cedida para esta postagem por Daniel Brazil, feita em Campos do Jordão-SP, em 31.05.2013.

Estas fotos estão no Wikiaves, e estão entre as mais bem avaliadas da espécie.

BEIJA FLORES DO BRASIL - NUMERO 19

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Escrituras Rupestres do Complexo da Zilda

CARRANCAS/MG


   Situadas à margem esquerda do Córrego Capivari, as Escrituras Rupestres do Complexo da Zilda constituem o único sítio arqueológico conhecido no município de Carrancas - MG, apresentando um conjunto gráfico rupestre exclusivamente realizado a partir da técnica de pintura.
 

 Feitas de tinta aplicada com bloco ( como giz) ou corante ressecado, pequenos frisos com carvão e manchas não definidas, é possível traçar semelhanças entre as figurações rupestres do Complexo da Zilda com demais sítios identificados na região do Sul de Minas, cujas atribuições estilísticas vertem para a Tradição de São Francisco.
   Embora restrito, ete sítio é extremamente relevante para entendimento do contexto de ocupação pré-histórica em escala meso e macro regional e sua preservação é fundamental.
   O Sítio Arqueológico das Escrituras Rupestres do Complexo da Zilda possui tombamento municipal, pelo Decreto nº 1058 de 13 de setembro de 2006.
  

 O tombamento foi ratificado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural de Carrancas e homologado pelo Decreto 1.526/2014. O Processo de tombamento atendeu às exigências de um TAC firmado com o Ministério Público e foi apresentado e aprovado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais- IEPHA-MG, em 2015.
   Respeite e valorize o nosso patrimônio natural e cultural. Contrate um condutor local nos receptivos turísticos e conheça a História de Carrancas!


CARRANCAS/MG
 O Município de Carrancas encontra-se na região sul do Estado de Minas Gerais, onde se destacam quatro principais serra ( Serra de Carrancas, Serra da Chapada das Perdizes, Serra do Moleque e Serra das Bicas) responsáveis pelos inúmeros mananciais que abastecem a cabeceira do Rio Grande e que ao longo de milhões de anos foram moldando todo terreno criando inúmeras grutas, cânions e cachoeiras.
   Sua posição geográfica determinou seu crescimento e o rumo de sua história.
   Em meio ao ciclo do ouro, bandeirantes paulistas da capital e de Taubaté, grandes rivais na disputa pelas terras e pelo ouro que nelas continham, se encontraram às margens do Rio Grande por volta de 1720 e juntos instalaram-se nas terras onde hoje está situado o Município de Carrancas. Empolgados com o potencial fértil de suas terras e com o ouro nela existente decidiram conquistar o local, iniciando um povoado com suas famílias, escravos e amigos. Em 1721 foi edificada uma capela em homenagem a Nossa Senhora da Conceição ficando então conhecido o lugar como Nossa Senhora do Rio Grande.
   e por estar no antigo caminho utilizado para o escoamento do ouro em Minas Gerais até o porto de Paraty-RJ, Carrancas se encontra hoje integrada ao circuito Estrada Real.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Estação Meteorologica - Fazenda Cachoeira - Arceburgo/MG.

Pedro Leite da Silva Dias.
Maria Assunção Faus da Silva Dias.


Registra as seguintes informações:

-Temperatura
-Umidade do Ar.
-Velocidade do vento.
-Pressão atmosférica.
- Pluviômetro.


Para acessar informações diárias clique:
https://www.myacurite.com/#/charts/hubs/233904/devices/233957/timespans/today


Informações colhidas ontem a tarde.



quarta-feira, 12 de julho de 2017

Cachoeira Maria Cândida - Delfinópolis/MG - Serra da Canastra


Lindas cachoeiras, matas preservadas, sempre uma surpresa a nossa frente.




Lindas flores no entorno.


A linda vegetação do cerrado mineiro. Bem preservada.


Outro angulo.



Lindas libélulas

Cachoeiras do Brasil             -      Numero 11
Cachoeira de Minas Gerais   -       Numero 9
Cachoeira de Delfinópolis/MG -    Numero 3

domingo, 9 de julho de 2017

Ninhos dos beija-flores em Arceburgo/MG - Parte 2

MAPEAMENTO/LEVANTAMENTO/HISTÓRICO

Estou fazendo um levantamento dos locais de ninhos, dos beija-flores aqui na minha cidade.
Onde eu tiver informação que eles chocando irei lá fotografar, anotar o endereço, etc.
Comecei pelas residências, praças...depois irei fazer isto em campo.
Estarei atualizando esta lista periodicamente, iniciei pela minha casa, tive a alegria de receber a visita deles.
Esta informação mostrará onde eles criam seus filhotes, bem como mostrará a incidência deles na área urbana, motivada pelos projetos que fizemos para atrai-los, ou seja o Jardim dos Beija flores. 
Este levantamento conterá as seguintes informações. Local, coordenadas geográficas (GPS), data em que criou, espécie do beija-flor, numero de filhotes, nome popular e cientifico da ave. Informações estas que servirão para um estudo mais aprofundado das espécies aqui na nossa cidade. 



8. Casa da Lena/Adriana
Rua: João Batista, 66.


9.Casa da Juliana/Taliberti
Jardim Pouso Alto
Aqui eles fizeram o ninho em cima do pendente da lâmpada, a noite a família evitou acende-la, para não molestar a fêmea.


 10. Casa do  Jovito Cesário
Rua: Afonso Pena, 135.
Beija-flor-tesoura - Eupetomena macroura
Dois filhotes
Epoca da criação: 01.09.2016.




11. Casa da Viviane Neves/Márcio.
Rua:Afonso Pena, 535.
Beija-flor-tesoura - Eupetomena macroura
Dois filhotes
Epoca da criação:10.07.2016.



12.Parque ambiental
Ninho feito na eritrina-candelbaro
Beija-flor-tesoura - Eupetomena macroura
Um filhote

Epoca da criação:11.05.2016







resumos
anexar nomes da ruas
anexar numero de espécies


Resumo:
Locais onde chocaram
1. Rua João Batista,81.
2. Rua Presidente Vargas, 338.
3. Rua: Presidente Vargas, 168.
4. Praça do Sacaia
5. Rua: Zich Moisés, 22
6. Parque Ambiental - 1 -
7. Parque ambiental - 2 -
8.Rua: João Batista, 66.
9. Juiana taliberti
10. Afonso Pena, 135.
11. Afonso Pena, 535.
12. Parque ambiental -3 


Resumo das espécies
Besourinho-de-bico-vermelho (Chlorostilbon lucidus) 

Beija-flor-de-peito-azul (Amazilia lactea)

Beija-flor-tesoura - Eupetomena macroura

Rabo-branco-acanelado - Phaethornis pretrei

Obs. O casal de Beija-flor, que choca na casa do Dr. Luiz, voltou a criar em 14.02.2017,

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Tuiuva, tujuba Melipona mondury, Smith,. 1863

Mapeamento das abelhas sem ferrão de Arceburgo/MG - Ponto numero 8 - video-

Ponto 8

CR - FM

Dois vídeos para retratar bem o local, e a espécie da abelha.

video


Esta alojada em uma árvore mulungu, viva, numa altura de 3 metros do solo. Local com mata preservada, água por perto.


A espécie se encontra na lista de espécies ameaçadas de extinção em Minas Gerais com o nome de Melipona rufiventris

No ponto numero 1 
Borá
Tetragona clavipes

No ponto numero 2 
Mandaguari
Scaptotrigona postica


No ponto numero 3 
Abelha boca de sapo

Partamona helleri


No ponto numero 4 
Tubuna
Scaptotrigona bipunctata

No ponto numero 5

Borá
Tetragona clavipes

No Ponto 6
Tubuna;
Scaptotrigona bipunctata

No Ponto 7

Jataí

Tetragonisca angustula

No Ponto 8

Tuiuva, tujuba


 Melipona mondury, Smith,. 1863


Portanto agora já são 6 espécies identificadas na natureza, porém são 9 enxames, porque no ponto 2 são dois enxames numa mesma árvore.

Resumo das espécies:
Borá.......................2.
Mandaguari............2.
Tubuna.................. 2.
Boca-de-sapo........1.
Jatai.......................1.

Tuiuva, tujuba........1.

Total...................... 9.

Ação em prol das Abelhas.

Voluntariado.

Educação Ambiental

Conhecer para proteger.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Alimentação de aves - João-de-barro - Parte 1

Jardim para aves.

Educação ambiental.

Pequenas ações.


Na Natureza nada se perde. Tudo tem sua razão, seu porque, sua utilidade.
Nas praças que faço costumo não remover troncos velhos. E caso não haja no local, vou atrás e introduzo neste espaço.
Neste caso das fotos, mandei buscar este tronco, fazia cinco minutos que havíamos colocado, eis que o João-de-barro apareceu e já foi alimentando.
Além dos rotineiros pica-paus, outro numero grande de aves tiram proveito desta fonte natural de alimento.



Ação em prol das aves.


terça-feira, 4 de julho de 2017

Húmus/Minhocário

Educação ambiental.



Montamos este projeto com o caráter educativo.
Feito a partir de esterco de gado, mas pode ser feito também, com os resíduos da cozinha, reciclando assim parte do lixo doméstico.



Benefícios ecológicos:
1 - Diminuição do lixo.
2 - Produção de húmus, para serem usados nas plantas.
3 - Produção de minhocas, para serem distribuídas a cidadãos comuns e produtores rurais.
4 - Educação ambiental a serem feitos com alunos da rede escolar municipal e de outras cidades.



4 a - Dentro da educação ambiental, fazemos uma dinâmica com os alunos, que consiste em eles tocarem, se quiserem, espontaneamente nas minhocas, o que ajuda na aversão/asco que muitos tem com estes importantes e inofensivos bichinhos.



Na foto João Thomaz, Chefe do Departamento , peneirando o humus. Este é um projeto que todos tratam com o maior carinho. Começamos com uma porção de minhocas, e dois sacos de esterco de curral, doados por Sérgio Pedreira de Freitas.